O prefeito em exercício do Cabo de Santo Agostinho, Keko do Armazém, autorizou nessa quinta-feira (31/01) a reestruturação da Unidade de Vigilância de Zoonoses (UVZ), em Engenho Novo. O ato foi realizado junto com autoridades municipais e a comunidade. A obra será feita com recursos próprios e tem duração de oito meses.

O local passará por uma readequação dos ambientes internos dos blocos administrativos, canil/gatil, laboratórios do Vigiágua e de endemias, pocilgas e baias, além da construção de dois novos edifícios: as unidades epidemiológicas e a guarita, e ainda, um novo estacionamento e acesso para pedestres.

A Unidade ganhará baias de acolhimento para animais de grande porte e quarentena quando houver suspeita de zoonozes de relevância para saúde pública. Essas adequações foram adotadas de acordo com a recomendação do Ministério da Saúde.

Maria Eugênia, gerente em Vigilância em Saúde, explicou também outras ações que serão executadas pela equipe. “Vamos agir nas estratégias de vigilância, prevenção e controle de arboviroses e zoonoses de relevância para a saúde pública, além de raiva e leishmanioses, outras doenças de transmissão vetorial, zoonoses monitoradas por programas nacionais de vigilância e controle do Ministério da Saúde, zoonoses de relevância regional ou local e emergentes ou reemergentes”, explicou.

A população vai usufruir de um equipamento adequado no acolhimento e bem-estar animal. Foi o que afirmou o Secretário de Saúde, Dr. Zé Carlos. “Queremos alcançar os padrões de qualidade na assistência com ações, atividades e estratégias de vigilância e prevenção, de forma contínua e sistemática, com animais de relevância para a saúde pública”, comentou.

Keko do Armazém relatou que cuidar dos animais é o desejo da gestão. “Nós temos uma preocupação com eles, pois muitos ficam doentes e não tem um local adequado para o devido tratamento. Com essa reforma, poderemos trazer um apoio melhor aos animais de nossa cidade, além de trabalhar na prevenção no caso dos animais peçonhentos e venenosos”, comentou.

Texto: Ákila Soares – Secom/Cabo
Fotos: Léo Domingos