A Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, promoveu na manhã desta quinta-feira (14/03) no Centro Administrativo Municipal (CAM1) – Torrinha, uma capacitação sobre manejo clínico da tuberculose. O encontro reuniu médicos, enfermeiros e odontólogos que atuam na Rede de Atenção Básica do município, com o objetivo de assegurar o diagnóstico precoce e o tratamento da doença causada por bactéria e que pode matar se não for tratada adequadamente.

Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2017, Pernambuco registrou 5.028 casos de tuberculose, sendo o terceiro estado com maiores índices da doença. O levantamento revela ainda, que o Cabo de Santo Agostinho, neste mesmo ano, registrou 109 casos de tuberculose ocupando o terceiro lugar com mais casos dentro de Pernambuco. Segundo a coordenadora Municipal de Tuberculose, Vanessa Carneiro, a população precisa estar atenta aos sintomas precoces da doença. “ É necessário levar estes dados e sinais a população, como tosse por mais de três semanas, para diagnosticar precocemente e elevar os índices de cura”, disse.

“Preparar esses profissionais para diagnosticar e tratar esses casos é de extrema importância. Infelizmente a taxa de abandono dos pacientes com tuberculose no Cabo chega a 10%, quando o esperado era de 5%. Iniciar e concluir o tratamento é de extrema importância”, concluiu Vanessa Carneiro, coordenadora Municipal de Tuberculose. A principal forma de contagio é através da tosse ou do espirro de pessoas doentes, apresentando sintomas como febre, dor no peito, emagrecimento rápido, entre outros.

As Unidades Básicas de Saúde, Unidades de Saúde da Família, Centro de Referência em Tuberculose Herbert de Souza, localizado no Centro, assegura o tratamento de forma gratuita e estão aptas a realizar o diagnóstico de forma simples por exame clinico e de escarro.

 

Texto: Natália Andrade

Foto: Gilberto Crispim